Legalismo X Liberdade – A ameaça do legalismo

edcan-v51-n1-bradley

Por Sam Storms

A palavra “liberdade” tem uma variedade de sentidos para várias pessoas. Para alguém que está preso, significa sair da cadeia cedo. Para um cidadão iraquiano, significa um governo democrático nas próximas eleições. Para o dono de uma pequena empresa, o significado pode ser em termos econômicos. Para alguém que morava em um país sob um regime comunista, pode ser que signifique a ausência de opressão social e política. Mas o que “liberdade” significa para o cristão? O que significa para você?

Em Gálatas 5.13, Paulo escreveu: “Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne; pelo contrário, sirvam uns aos outros mediante o amor”. Por que Deus, o Pai, colocou sobre você o seu amor salvífico? Por que Deus, o Filho, morreu por você? Por que Deus, o Espírito Santo, lhe chamou à fé nesse sacrifício? Liberdade! Para o cristão, liberdade significa uma de três coisas. Há, primeiramente, liberdade da condenação da ira de Deus. É isso que Paulo tinha em mente em Romanos 8.1 quando ele afirmou, “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus”. Em segundo lugar, há liberdade da compulsão do pecado. Romanos 6.14 nos assegura de que “o pecado não os dominará” já que “vocês não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça”. E então, em terceiro lugar, há liberdade da consciência de outras pessoas, que é o tema principal do décimo quarto capítulo de Romanos. É a terceira dessas manifestações da liberdade cristã na qual quero me concentrar.

A ameaça do legalismo

Há pessoas, que professam a fé cristã, determinadas a colocar-lhe sob seu controle religioso. Eles estão determinados a lhe transformar num escravo da consciência deles. Construíram cuidadosamente uma caixinha religiosa, sem justificação bíblica, e tem o objetivo de colocá-lo lá dentro e fazer com que você se molde às suas dimensões. Eles são legalistas, e suas ferramentas são culpa, medo, intimidação e autojustificação. Eles proclamam o amor incondicional de Deus por você, mas insistem em colocar certas condições antes de lhe incluir dentre os aceitos, na elite aprovada, entre os poucos que têm o favor de Deus.

Não estou falando a respeito de pessoas que insistem que você obedeça certas leis ou regras morais para que seja salvo. Tais pessoas não são legalistas. Estes estão perdidos! Eles são facilmente identificados e rechaçados. Estou falando de cristãos legalistas cujo alvo é impor conformidade entre outros cristãos de acordo com suas preferências pessoais. Esses são os de estilo de vida legalista. Eles ameaçam tirar a sua alegria e arrancar a intimidade do seu relacionamento com Jesus. Eles podem até levá-lo a duvidar da sua salvação. Ele amontoam condenação e desprezo sobre a sua cabeça para que sua vida seja controlada e motivada por medo em vez de liberdade, alegria e gozo em Deus.

Essas pessoas raramente admitem qualquer parte disso. Eles não se percebem ou veem como legalistas. Se eles lerem este texto, provavelmente estão convencidos de que estou falando de outro alguém. Eles nunca se apresentariam dizendo: “Oi! Meu nome é João/Maria. Sou legalista e meu alvo é roubar a sua alegria e manter-lhe sob o julgo do meu preconceito religioso. Você gostaria de almoçar comigo depois do culto para que eu lhe diga tudo que você está fazendo de errado?”

Eu tenho a suspeita de que alguns de vocês ou são legalistas, mais provavelmente, ou vítimas de legalismo. Você vive com medo de fazer algo que outro cristão considera impiedoso, mesmo que a Bíblia não diga nada a respeito do assunto. Você teme trazer sobre si reprovação, desenho e rejeição fatal. Ou até pior, você teme a rejeição de Deus por violar tradições religiosas ou normas culturais que não têm base nas Escrituras, mas que são prezadas pelo legalista. Você foi enganado, levado a crer que o menor erro ou tropeço trará sobre você a reprovação e o desgosto de Deus.

Quando você está com outros cristãos, seja em casa ou num grupo no lar, ou mesmo só passando um tempo juntos, você se sente livre? Seu espírito está relaxado ou oprimido? Você sente aceitação ou condenação? Você se sente julgado, inadequado, inferior, culpado, imaturo, tudo por conta da sua percepção de ter falhado em se conformar ao que outra pessoa considera “santo”?

Jesus quer libertá-lo de tal escravidão! Como disse Paulo, “vocês foram chamados para a liberdade”!